19 Novembro de 2020 | 08h11

PROCESSADAS 201.561 AMOSTRAS DESDE MARÇO

Angola com mais quatro óbitos e 104 novos casos

Nas últimas 24 horas, mais quatro angolanos, de 56, 57, 75 e 85 anos, morreram de COVID-19, três do sexo masculino e um do sexo feminino, nas províncias de Luanda(dois), Benguela (um) e Uíge (um).

No mesmo período, 41 pacientes ficaram recuperados, na faixa etária dos dois a 64 anos, sendo 27 em Luanda, oito na Huíla e seis no Huambo. 

Também foram diagnosticadas 104 novas infecções, menos 99 em relação ao último balanço, de acordo com o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, nesta quarta-feira, 18 de Novembro, no ponto informativo sobre a COVID-19 no país. 

Os infectados, 63 homens e 41 mulheres na faixa etária de um a 70 anos, estão em diferentes províncias: 20  em Benguela, 14 no Huambo, quatro em Cabinda, igual número no Uíge, três no Cuando Cubango, um no Bengo e 58 em Luanda, nas localidades de Belas, Ingombota, Cacuaco, Cazenga, Samba, Sambizanga, Talatona, Maianga e Rangel.

Angola tem agora 13.922 casos, dos quais 332 óbitos, 6.623 recuperados e 6.967 activos. Entre os activos, nove estão críticos, 10 graves, 187 moderados, 393 com sintomas leves e 6.309 assintomáticos.

No país, 602 pacientes estão internados com COVID-19 nos centro de tratamento. 

Nas últimas 24 horas, os laboratórios processaram 3.133 amostras por RT-PCR, das quais 104 positivas e 3.026 negativas, corresponde a uma taxa de positividade diária de 3.3 por cento. O país conta com um acumulado de 201.561 amostras processadas, das quais 13.922 positivas e uma taxa de positividade de 6.9 por cento.

Nos centros de quarentena institucional permanecem 386 cidadãos e saíram 33 nas últimas 24 horas, dos quais 29 na província do Cunene e quatro no Cuando Cubango. Sob vigilância epidemiológica estão 4.378 contactos directos e indirectos dos casos positivos.

A partir das linhas telefónicas de apoio psicológico 145 e 146 foram assistidas 450 pessoas e 99 ligaram para o Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) para obterem informação sobre a COVID-19.

Ao terminar o ponto informativo, Franco Mufinda reforçou o conselho à população para o cumprimento das medidas de prevenção contra a COVID-19,  até agora a maneira mais eficaz para o combate desta pandemia.