Saúde
15 Setembro de 2020 | 15h09

Processadas 1.834 amostras em 24 horas

Mais duas mortes e 51 novas infecções no país

Dois cidadãos nacionais, de 52 e 73 anos, morreram de COVID-19, 51 estão contaminados e 23 pacientes ficaram recuperados desta doença, nas últimas 24 horas.  

De acordo com o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, dois contaminados são da província do Zaire, um do Cuanza- Norte, um Cabinda e 47 de Luanda, nas localidades de Kilamba-Kiaxi, Viana, Belas, Ingombota, Sambizanga, Maianga e Icolo e Bengo. Este grupo é composto por 31 homens e 20 mulheres, na faixa etária dos 22 a 82 anos. 

Contando com os novos dados, Angola tem agora 3. 439 casos confirmados, dos quais 136 óbitos, 1.324 recuperados e 1.979 activos. Destes activos, um está crítico com ventilação mecânica invasiva, 16 graves, 44 moderados, 62 com sintomas leves e 856 assintomáticos.

Franco Mufinda, que falava no ponto informativo de actualização dos dados da COVID-19, deu a conhecer que os centros de tratamento estão a seguir 431 doentes e os centros de quarentena institucional 725 casos suspeitos. Nas últimas 24 horas, ficaram livres da quarentena 23 pessoas, sendo 12 em Cabinda, quatro no Moxico, quatro no Cunene e três no Cuando Cubango. Outras 4.786 pessoas são vigiadas pelas autoridades sanitárias, por terem mantido contacto directo ou ocasional com os infectados.   

Pela primeira vez, os laboratórios de testagem processaram 1.834 amostras em 24 horas, das quais 51 positivas. O registo acumulado é de 65. 951 amostras processadas, das quais 3.439 positivas.

Em resposta à retoma dos voos domésticos, nesta segunda-feira, foi criada uma área permanente de testagem da COVID-19 no Aeroporto "4 de Fevereiro”, composta por zonas de rastreio térmico, registo, testagem, aconselhamento psicológico após testagem e uma sala de espera. No primeiro voo para a província de Cabinda, 105 passageiros foram testados, tendo sido detectado dois casos reactivos a IGG.  

Na Escola Nacional de Saúde Pública, 525 turistas foram testados, dos quais 24 tiveram resultado reactivos: 20 a IGG, um a IGM e outro misto. 

As direcções municipais de Saúde de Luanda, que trabalham em coordenação com as brigadas criadas para assistência domiciliar, também realizam testes, cinco reactivos a IGG. 

A equipa de saúde mental e de intervenção psicossocial assistiu 423 pessoas, sendo 272 utentes, 151 técnicos de saúde, 27 famílias durante e após a quarentena. A mesma equipa deu apoio psicológico a 118 pessoas, através das linhas de atendimento 145 e 146.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 95 pedidos de informação sobre a COVID-19.