20 Outubro de 2020 | 11h10

PAÍS TEM 7.829 CASOS CONFIRMADOS

Mais um óbito e 207 casos positivos

Mais um angolano, de 53 anos, morreu vítima da COVID-19, nas últimas 24 horas, em Luanda.

No mesmo dia, as autoridades sanitárias registaram um paciente recuperado e 207 casos positivos, segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, esta segunda-feira, 19, no ponto informativo sobre a pandemia.

Os novos infectados estão em vários pontos do país, sendo quatro em Cabinda, 18 no Uíge, quatro em Benguela, dois no Huambo, cinco na Huíla, sete em Malanje, cinco no Namibe e 152 em Luanda, nas localidades de Viana, Talatona, Ingombota, Belas, Cazenga, Cacuaco, Icolo e Bengo, Rangel e Kilamba Kiaxi. O grupo é composto por 125 cidadãos do sexo masculino e 82 do sexo feminino, com idades que variam entre um e 85 anos.

Com estes números, o quadro epidemiológico do país passa a ter 7.829 casos positivos, dos quais 248 óbitos, 3.031 recuperados e 4.550 activos. Entre os activos, oito estão críticos, 20 graves, 108 moderados, 443 com sintomas leves e 3.971 assintomáticos.

Os centros de tratamento da COVID-19 acolhem 576 pacientes e 4.071 contactos directos e ocasionais dos casos positivos estão sob controlo das autoridades sanitárias.

Em quarentena institucional estão 197 pessoas e 106 tiveram alta nas 24 horas, sendo 86 na província de Luanda, 16 no Bié, três na Huíla e uma no Cuando Cubango.

Os laboratórios processaram 1.432 amostras, das quais 207 positivas. O registo acumulado de amostras processadas é de 134.199 amostras, das quais 7.829 positivas.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 104 chamadas para pedidos de informação relacionada à COVID-19 e a equipa de saúde mental e de intervenção psico-social prestou apoio psicológico a 17 pessoas que ligaram para as linhas de atendimento 144 e 145.

Franco Mufinda apelou aos cidadãos a evitar viagens que não sejam obrigatórias, para não colocar em risco a própria vida e de seus familiares. Recomendou igualmente a lavagem das mãos com água e sabão, o uso da máscara facial, o distanciamento social, para evitar os ajuntamentos populacionais, e a não descriminação das pessoas infectadas pelo coronavírus.