Saúde
10 Setembro de 2020 | 14h09

Máscara diminui risco de contágio

COVID-19 causa dois óbitos e atinge mais 59 pessoas

As autoridades sanitárias registaram dois óbitos, 59 casos positivos e 30 pacientes recuperados da COVID-19 nas últimas 24 horas. 

Entre os novos infectados, 53 estão na província de Luanda, três no Zaire, dois em Cabinda e um em Benguela, segundo a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, que falava esta quarta-feira, 9 de Setembro, na actualização de dados da COVID-19. Tratam-se de 50 cidadãos do sexo masculino e nove do sexo feminino, com idades entre um e 79 anos. 

Com estes dados, Angola contabiliza 3.092 casos positivos, dos quais 126 óbitos, 1.245 recuperados e 1.721 activos. No grupo dos activos, três estão críticos com ventilação mecânica invasiva, 24 graves, 46 moderados, 48 com sintomas leves e 1.600 assintomáticos. 

Os laboratórios de testagem por RT-PCR processaram 572 amostras, das quais 59 positivas. O registo cumulativo é de 61.538 amostras processadas desde o mês de Março, das quais 3.092 positivas e 58.446 negativas. 

O Centro de Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 91 chamadas, todas relacionadas à COVID-19, entre pedidos de informação, denúncias de casos suspeitos e outros esclarecimentos. 

Sílvia Lutucuta informou igualmente que 702 pessoas encontram-se nos centros de quarentena institucional e que continuam a decorrer, em todo o país, actividades de vigilância epidemiológica e laboratorial, bem como acções formativas dirigidas a técnicos de saúde. 

Na sessão de ontem, a ministra apelou aos angolanos, principalmente às vendedoras, taxistas, cobradores e seus clientes, ao uso correcto da máscara, cobrindo o naris e a boca, por ser um meio de protecção individual eficaz para a redução do risco de contágio da COVID-19.  

Silvia Lutucuta disse ter constatado nas últimas 24 horas muitas vendedoras e taxistas sem a máscara, contrariando o Decreto Presidencial nº 229/20 que obriga o uso correcto de máscara facial na via pública, nos espaços fechados de acesso público, nos transportes públicos, na venda ambulante e nos mercados. 

Além do uso da máscara, recomendou a lavagem das mãos frequente ou o uso do álcool em gel. " Essa prática é que vai salvar as nossas famílias. Quando usamos a máscara não protegemos apenas a nossa saúde, mas também das nossas famílias”, esclareceu, lembrando que existe circulação comunitária do coronavírus e que a maior parte dos infectados são assintomáticos, sendo impossível saber quem está ou não infectado ao redor.  

Os profissionais de saúde foram considerados heróis, pelo serviço prestado em prol da prevenção e combate da COVID-19, de forma inclusiva, e os jornalistas promotores da saúde pública, pela divulgação de informação sobre a pandemia. A ministra também encorajou as forças de defesa e segurança pelo apoio nesta luta. "A luta é de todos e o papel de todos é importante”, declarou.