24 Outubro de 2020 | 12h10

GOVERNO ACTUALIZA MEDIDAS

COVID-19 mata mais cinco pessoas e atinge 247 em 24 horas

Mais cinco óbitos, 247 casos positivos e 79 recuperados da COVID-19 foram registados pelas autoridades sanitárias nas últimas 24 horas.

Segundo a ministra da Saúde, Sílvia Lutucuta, em conferência de imprensa nesta sexta-feira, 23, no Centro de Imprensa Aníbal de Melo (CIAM), em Luanda, quatro óbitos ocorreram em Luanda e um no Namibe, sendo quatro do sexo masculino e um do sexo feminino.

Relactivamente aos casos positivos, 203 estão na província de Luanda, 23 em Cabinda e 21 em Benguela. As suas idades variam de um a 72 anos, sendo 139 do sexo masculino e 108 do sexo feminino.  

Em Luanda, os casos positivos foram diagnosticados nas localidades da Maianga, Kilamba Kiaxi, Viana, Sambizanga, Cazenga, Ingombota e Rangel. Também nesta província estão 56 pacientes recuperados e 23 no Bié.

Angola tem um quadro epidemiológico com 8.829 casos positivos, dos quais 265 óbitos, 3.384 recuperados e 5.180 casos activos. Entre os activos, nove estão críticos, 21 graves, 121 moderados e 5.029 assintomáticos.

Os laboratório processaram 1.651 amostras por RT-PCR nas últimas 24 horas. O total de amostras processadas é de 140.667, desde o início da pandemia no país, e a taxa de positividade é de 15 por cento.

Sílvia Lutucuta disse que o aumento exponencial de casos positivos nos últimos dias levou o Governo a agravar as medidas de prevenção e fazer sair um novo Decreto Presidencial que começa a vigorar este sábado, 24 de Outubro, até 22 de Novembro, com vista a cortar a cadeia de transmissão da COVID-19.

A ministra afirmou que o aumento de 30 por cento do total de casos de COVID-19 nas últimas duas semanas deveu-se ao incumprimento das medidas estabelecidas pelo Governo.

"Se não cumprirmos com as medidas de biossegurança vamos chegar ao colapso total do sistema de saúde", alertou.

Entre as medidas plasmadas no novo Decreto Presidencial consta o adiamento da retoma das aulas do ensino primário, inicialmente marcadas para segunda-feira, 26; a redução para 50 por cento da força de trabalho em todas as instituições públicas e privadas; e a redução dos dias de venda ambulante e nos mercados, de cinco para três dias, nomeadamente terças-feira, quintas-feira e sábados, no horário das 6h00 às 15 horas.

Os restaurantes e similares passam a funcionar até às 16 horas, para o atendimento presencial, e até às 22 horas para o serviço de entrega.