Saúde
08 Setembro de 2020 | 12h09

Angolanos retidos na RDC regressaram ao País

Angola notifica três óbitos e 16 novos casos positivos

A COVID-19 causou a morte de mais três pessoas nas últimas 24 horas. As autoridades sanitárias também registaram 16 novas infecções e 17 pacientes recuperados desta doença, dos quais 16 na província de Luanda e um em Cabinda.

Das três vítimas mortais, dois são cidadãos nacionais, um homem de 70 anos e uma mulher  de 51 anos,  e um cidadão etíope de 46 anos, de acordo com secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, no balanço epidemiológico desta segunda-feira, 7 de Setembro. 

Em relação aos novos casos positivos, são todos da província de Luanda, distribuídos nas localidades de Cacuaco, Ingombota, Belas, Viana e Cazenga, entre os quais 12 do sexo masculino e quatro do sexo feminino, com idades compreendidas entre os 20 e 78 anos.

O país conta com um total de 2.981 casos positivos, dos quais 120 óbitos, 1.215 recuperados e 1.646 activos. Destes activos, quatro estão críticos com ventilação mecânica invasiva, 19 graves, 48 moderados, 44 com sintomas leves e 1.531 assintomáticos. 

Nos centros de tratamento no país estão 375 pacientes e os restantes cumprem o isolamento domiciliar. 

Nas últimas 24 horas, os laboratórios de testagem na base da biologia molecular processaram 379 amostras, das quais 16 positivas. O registo acumulado é de 60.572 amostras processadas, sendo 2.981 positivas. 

As equipas de saúde mental e intervenção psicossocial assistiram 188 pessoas, das quais 91 utentes, 95 técnicos de saúde e duas famílias de utentes das unidades sanitárias.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 87 chamadas para solicitação de informação sobre a COVID-19.

Neste momento, os centros de quarentena institucional controlam 535 pessoas e 29 deixaram estes locais nas últimas 24 horas, sendo 18 em Luanda, oito na Huíla, duas no Cuando Cubango e uma no Bié.

Os contactos directos e ocasionais sob controlo das autoridades sanitárias são agora 4.756.

Nesta segunda-feira, chegaram ao país 112 cidadãos provenientes da República Democrática do Congo, onde estavam retidos em consequência da COVID-19. Estes estão a cumprir a quarentena institucional e aqueles que regressaram em voos anteriores começaram a ser testados nesta segunda-feira.