15 Janeiro de 2021 | 11h01

Angola reforça vigilância nas fronteiras

Angola vai reforçar o controlo das fronteiras terrestres e marítimas a nível de todo o país, para impedir a importação das novas variantes do vírus SARS-COV-2.

O ministro do Interior, Eugénio Laborinho, que falava à imprensa no acto de apresentação das medidas que visam impedir a importação das novas variantes do vírus SARS-COV-2, esta quinta-feira, 14 de Janeiro, garantiu que está salvaguardada a questão da segurança pública no que concerne à vigilância epidemiológica ao longo das fronteiras terrestres e marítimas.

Eugénio Laborinho referiu que os trabalhos decorrerão em coordenação com os órgãos principais de defesa e segurança, nomeadamente o Ministério da Saúde, Serviços de Investigação Criminal, Forças Armadas, Polícia Fiscal, de Guarda Fronteira e Aduaneira, e Serviços de Migração Estrangeiros, que vão reforçar a capacidade de intervenção para apoiar toda esta operação em torno fluxo migratório.

"A minha maior preocupação está ligada à fronteira Sul, uma vez que a África do Sul é um dos países com elevado número de casos identificados, incluindo com as novas variantes do vírus SARS-CoV-2 altamente contagioso”, disse Eugénio Laborinho, ressaltando que o país está em estado de alerta para evitar que imigrantes transportem o vírus para o território nacional.

O Ministério do Interior, acrescentou, vai reforçar as medidas de controlo, aplicando planos de contingência em todos os pontos de entrada e saída de pessoas e bens.

O dirigente pediu a colaboração da população, respeito pelo trabalho das autoridades competentes e que sejam evitados actos de indisciplina.