23 Outubro de 2020 | 14h10

Angola recupera 265 pacientes em 24 horas

As autoridades sanitárias registaram o maior número de pacientes recuperados da COVID-19 nas últimas 24 horas. Ficaram livres desta doença 265 pessoas, na faixa etária de um mês de vida a 93 anos, sendo 243 residentes em Luanda, sete no Zaire, seis em Cabinda e três em Benguela. Nas províncias do Cuanza Norte, Cuanza Sul e Moxico registou-se um paciente recuperado em cada uma.

No mesmo dia, morrem com a doença mais cinco pessoas em Luanda, sendo três cidadãos do sexo masculino e dois do sexo feminino, com 29, 59, 68, 78 e 83 anos, segundo o secretário de Estado para a Saúde Pública, Franco Mufinda, nesta quinta-feira, 22, no ponto informativo sobre a COVID-19 no país.

Quantos aos casos positivos, foram diagnosticados 244, dos quais 11 em Cabinda, três no Cuanza Norte, um em Benguela e 229 em Luanda, sendo 146 do sexo masculino e 98 do sexo feminino, com idades que variam de um a 79 anos.

Na província de Luanda, os infectados foram registados nas localidades de Viana, Belas, Maianga, Ingombota, Cazenga, Samba, Rangel, Sambizanga e Cacuaco.

Angola passou a ter 8.582 casos positivos, dos quais 260 óbitos, 3.305 recuperados e 5.017 activos. Entre os activos, nove estão críticos, 23 graves, 17 moderados, 438 com sintomas leves e 4.432 assintomáticos.

As autoridades sanitárias seguem 591 em tratamento e 4.071 contactos directos e ocasionais dos casos positivos.

Nas últimas 24 horas, houve o processamento de 1.334 amostras, das quais 244 tiveram resultado positivo. O número acumulado de amostras processadas é de 139.016, sendo 8.582 positivas.

Nos centros de quarentena institucional estão 158 pessoas e saíram 73 nas últimas 24 horas, sendo 72 no Cunene e uma no Namibe.

No mesmo dia, a equipa de saúde mental e de intervenção psico-social assistiu 278 pessoas, sendo 172 utentes e 106 técnicos de saúde. De igual modo, 88 famílias de utentes beneficiaram de assistência e 49 pessoas receberam apoio psicológico via telefónica.

O Centro Integrado de Segurança Pública (CISP) recebeu 296 chamadas para pedidos de informação relacionada à COVID-19.

O secretário de Estado disse que o aumento de casos positivos resulta da falta de cumprimento das medidas de prevenção. Nas duas últimas semanas, adiantou, foram registados um terço de todos os casos até agora notificados, segundo um estudo descritivo.

Os actos irresponsáveis que põem em risco a saúde individual e colectiva foram condenados e, por outro lado, reiterados os apelos à população para o cumprimento das medidas de prevenção e combate à COVID-19.