Portal Oficial do Governo da República de Angola

Íntegra do discurso do Presidente na VII Cimeira Internacional de Tóquio

Discurso do Presidente da República, João Lourenço, na VII Cimeira Internacional de Tóquio para o Desenvolvimento de África, proferido nesta quarta-feira, 28.

-Excelência senhor Cyril Ramaphosa, Presidente da República da África do Sul;

-Excelência senhor Taro Aso, Vice-Primeiro-Ministro e Ministro das Finanças do Japão;

-Excelências senhores Chefes de Estado e de Governo;

-Distintos funcionários das Nações Unidas, da União Africana e do Banco Mundial;

-Ilustres convidados;

Foi com grande satisfação que acedi ao convite para estar presente nesta bela cidade de Yokohama e participar da Sétima Edição da Cimeira Internacional de Tokyo sobre o Desenvolvimento Africano.

Esta Cimeira Internacional sobre o Desenvolvimento Africano é um evento de enorme prestígio internacional, sobretudo para os países africanos que enfrentam o desafio de alcançar até ao ano 2030 os 17 Objectivos do Desenvolvimento Sustentável, e que têm no Japão um indispensável parceiro para o cumprimento desta importante missão.

Estas metas globais das Nações Unidas incluem acções com vista a eliminar a fome, a pobreza e assegurar que todos os habitantes da terra possam beneficiar de paz e prosperidade.

Os Governos, os Parlamentos, as Autoridades Regionais e Locais, as Universidades, os Institutos de Investigação, as Organizações Filantrópicas, as Cooperativas, as Empresas e demais organizações da Sociedade Civil, devem agir como verdadeiros parceiros para que a prosperidade e o bem-estar possam chegar aos mais pobres e aos mais vulneráveis.

Ao falarmos da necessidade de “Acelerar a transformação económica e melhorar o ambiente de negócios através da inovação e envolvimento do sector privado”, tema em debate, entendemos que só uma verdadeira complementaridade estratégica entre o Estado e o sector privado poderá garantir que se alcance com sucesso as metas do desenvolvimento sustentável.

Ao Estado cabe o papel de órgão regulador e coordenador de todo o processo de desenvolvimento económico e social.

Ao sector privado é reservado o papel de motor do crescimento económico, num ambiente competitivo que leve à permanente criação de riqueza e de valor de maneira eficiente.

Para permitir um bom desempenho do sector privado, o Estado deve criar as condições para a remoção das falhas de mercado, sobretudo combatendo os monopólios e outras imperfeições do mercado, assim como remover a burocracia e outros vícios e obstáculos desnecessários da administração pública, que podem dificultar o desenvolvimento dos negócios.

 

Para criar as condições de estabilidade macroeconómica necessárias para um melhor ambiente de negócios, o Executivo de Angola está a implementar, com o apoio do Fundo Monetário Internacional, um Programa para a estabilização da economia angolana.

Este programa tem permitido alcançar resultados positivos no que respeita à consolidação fiscal, à redução das taxas de inflação, à normalização gradual do mercado cambial, bem como à estabilização das taxas de juro dos títulos do Tesouro e do nível das reservas internacionais líquidas do país.

Estamos a levar a cabo com o apoio do Banco Mundial, um amplo Programa de Melhoria do Ambiente de Negócios, o que tem permitido simplificar os procedimentos e reduzir o tempo dos diversos serviços públicos prestados ao sector privado.

Também com o apoio do Banco Mundial estamos a implementar um amplo Programa de privatizações de empresas e activos públicos. Estamos em vias de iniciar a privatização de mais de 190 empresas e activos públicos até ao ano 2022.

Com este processo de privatizações, pretendemos promover o crescimento económico de Angola, fomentando o investimento privado e o aumentando da oferta de emprego no país.

Pretendemos também contribuir para o aumento da eficiência das empresas angolanas, levando a uma redução gradual dos custos de produção e a prática de preços mais competitivos, para benefício dos consumidores.

Com ele pretendemos ainda atrair investidores internacionais que aportem à nossa economia não só capital financeiro e tecnologia avançada, mas sobretudo o “know-how” que nos permita diversificar e aumentar a produção interna de bens e de serviços e com isso incrementar as exportações.

A corrupção é um mal para as economias e para as sociedades em todo o mundo. No entanto em alguns países do nosso continente este fenómeno assume proporções particulares.

Para muitos dos nossos países, a corrupção é um enorme fardo imposto aos empresários e à sociedade no geral, pois distorce por completo o princípio básico da transparência, da sã concorrência e da justiça, desvalorizando o mérito e a competência.

Tendo em conta os efeitos nefastos deste fenómeno, o Executivo angolano e os competentes órgãos da Justiça estão a levar a cabo medidas concretas para eliminar a corrupção e a impunidade e assim edificar-se em Angola um verdadeiro Estado de Direito e uma real economia de mercado.

Estamos igualmente a implementar medidas tendentes a combater a concorrência desleal, o branqueamento de capitais, bem como medidas para recuperar os activos que foram constituídos com recursos públicos e ilegalmente transferidos para terceiros em Angola e no estrangeiro.

O nosso objectivo, com todas estas medidas, é o de edificar em Angola uma economia baseada num crescimento forte e sustentado, acabando com a grande dependência do nosso país em relação ao petróleo como principal produto de exportação.

Caros conferencistas;

Minhas senhoras, meus senhores;

No nosso continente, para se acelerar a transformação económica, não basta melhorar o ambiente de negócios e envolver o sector privado, é ainda importante o investimento público ou público/privado nas principais infraestruturas rodoviárias, ferroviárias, portuárias, de produção e distribuição de energia e água potável e de telecomunicações.

Nestes domínios, contamos bastante com o Japão como parceiro que pode, em condições vantajosas para nós, financiar esses projectos de infraestruturas, que são de extrema importância para o desenvolvimento de nossos países.

Aproveito esta oportunidade para apelar que se definam planos concretos de cooperação multilateral e bilateral, no sentido de fazermos desta parceria Japão/África uma importante alavanca do Desenvolvimento Sustentável dos nossos países.

Desafiamos os empresários japoneses a investir nos mais diversos ramos das nossas economias, na agropecuária, na indústria têxtil, nas pescas, na indústria auto, na produção de televisores, computadores e telemóveis, nas novas e renováveis fontes de produção de energia eléctrica.

Nesta visita ao Japão, fazemo-nos acompanhar de um leque de empresários angolanos com quem podem interagir e estabelecer possíveis parcerias.

Agradecemos desde já ao Governo e ao povo japonês pela forma calorosa, fraterna e hospitaleira como nossas delegações foram recebidas e acolhidas desde a nossa chegada.

Obrigado pela atenção.

 

Data da Publicação: 08/28/2019